Oi Saudade

​ Oi Saudade. Achei que tu não iria bater na minha porta, cara amiga. Acreditava na súbita ilusão de passar por ora sem ter de dar as caras contigo, mas tudo bem, agora que está aqui desejo que vás embora.

Eu sei, existe aquela saudade boa, mas quando tem-se a certeza que ela irá ser tomada por outro sentimento logo. No entanto, quando ela não vai mais, o que se faz? 

Ela é aquela visita que incomoda e não vai embora, porém não temos coragem para dizê-la que já está na hora de ir, porque o choro já veio, já foi soluçado e agora não está mais aqui e ela, simples saudade, insiste em ficar e me lembrar dele a cada manhã e eu sei que não voltarás.

Nos primeiros dias ela era boa, saudade dizia pra mim que ele iria voltar em alguma hora e chegaria sem avisar. Mas aquela sensação vazia aumentou e caí em mim mesma e lembrei que não virá mais até cá no meu abraço. Ela poderia ter dito-me isso logo que ele foi embora, dolorido seria, entretanto ela já teria se tocado e ido porta afora.

Agora, minha coragem cada vez mais diminui em mandá-la embora, porque me lembra dos nossos melhores momentos e das inúmeras vezes que ele me disse que ficaria tudo bem. Mesmo que não tenha ficado, era o que ele desejava e isso me fazia maravilhosamente bem. Agora, saudade maldita me lembra que não está tudo tão bem, porque ele não está aqui para me envolver em seus braços.

Ah saudade, me lembra mais um pouquinho aqui do rosto dele e de como ele me fazia feliz, mas não fica muito, preciso fazer uma faxina na casa e você está atrapalhando!