Bem que podia…

  Bem que podia ser possível viajar para outro século e cometer verdadeiras loucuras de amor.

Hoje, loucuras de amor são vistas como “estar na coleira” e quanto mais presentes tu receber, mais julgado como “amada” tu és. E é por estes estereótipos que eu te dizia o meu ódio por estes padrões que tu tanto queria seguir.

Mas eu queria poder ter demonstrado mais as minhas pequenas loucuras pra ti feitas. Os gigantescos textos por mim escritos eram sempre escondidos e envergonhados e eu desejo que pudesse ter escrito muito além, no entanto, creio que minhas poucas palavras de amor bastaram, foram até exageradas para este século, mas sou dramática e tu sabes disso, porque meu coração dizia bilhões de vezes mais, porém meu amor, pra ti, aquelas míseras palavras te fizeram entender o quanto o amei e o quão louca sempre fui, o aceitável para o padrão de amor, obviamente.

Meu desejo era ter sido mais pirada, mas isso nunca combinou com teus olhos tímidos e tuas poucas palavras. Ainda assim eu te amei, mas queria ter lhe amado com a loucuras de outros tempos, para este foi suficiente,  mas não para mim.

Ainda assim, que algum dia tu possas me entender. Entender essa intensidade, aqueles tipos de olhar que eu tanto falava e que você tanto criticava ser vergonhoso. Eu espero te ver um dia cometer aquelas mesmas loucuras que meus livros descrevem, e que um dia me entendas e passe a ver o amor como único, sereno e sem padrões, mas sim com muitas declarações, sejam elas silenciosas ou escandalosamente gigantes.

Bem que o amor podia ser sempre assim…

Anúncios

Sempre haverá

Sempre existirá.

Sempre haverá alguém que te fará suspirar, mesmo que sua relação não seja das melhores. Haverá aquele rosto que tu adoras admirar,   simplesmente olhar a face dele te deixa em puro êxtase.

Não adianta pensar que livrou-se de todos e que agora ninguém mais importa, tu sabes que tem alguém.

Pode ser que sejas um amor antigo que não tenha ido embora totalmente, ou talvez alguém do teu convívio ou aquele alguém da faculdade que tu suspeitas só de pensar .

Sempre haverá alguém. Bonito ou feio, teu coração não repara nisto, já está se transformando em amor real.

Nas estações…

Um amor de verão, outono, inverno e primavera…

Que nosso verão seja agitado, quente e com muita companhia tua para passear pela praia.

Já no outono podes ter certeza de que ainda será amor, porém que ele se renove junto com a folhas, mesmo que torne a ficar seco, sabemos que é passageiro.

Começando o inverno, que aja cobertos, filme e brigadeiro. Que não deixemos o frio e a chuva esfriar nossa alma, nos mantendo aquecidos com a doçura do olhar um do outro.

Caso o inverno for congelante, que saibamos que a primavera vem em seguida, para trazer o colorido da alegria e as flores do momentos felizes. 

E os olhos brilham

A pouco tempo, descobri o quanto meus olhos brilham ao vê-lo, brilham tanto que o ambiente se ilumina quando ele chega.

Domingo percebi que meu coração bate em ritmo diferente quando ele me abraça, tem um ritmo calma, como as músicas do Armandinho, porém também acelerado, como um furacão desses que passou pela Flórida.

Hoje pela manhã, percebi que necessito dele, pois meu pensamento já foi consumido por ele, é só dele, está consumado, seremos sempre ele e eu.

Não sei como definir o quanto eles brilham, mas chega ao ponto de ao nosso redor, quem estiver, perceber.

Domingo percebi que quando chegaste, me abraçou mais forte que o comum, acho que este é o teu olho brilhando

Nossas tardes de Domingo

As gotas de água se mostram na janela.

A chuva passou por aqui, sabe o que ela trouxe junto? Aquela lembrança, sabe? Aquele dia que vieste aqui, vimos um filme e ficamos perdidos no meio de nossas gargalhadas. Ah… tua risada, mais linda não há!

Naquela tarde chuvosa, o teu carinho foi onde pude sentir o palpitar do teu peito e o exalar do teu perfume.

Memória essa, que me recordo a todo instante para te sentir comigo de novo. Sentir minha cabeça repousando em teu colo aconchegante.

Olhando pela janela encontrei-me com a lembrança. Lembrança das tardes de domingo, das brincadeiras da minha criança e das gargalhadas de meu menino.

Lembrei das tardes de domingo. Do cheiro do brigadeiro junto ao seu cheiro. Do moletom quente que usavas para vir debaixo da garoa. Recordei do teu abraço me forçando a te olhar, tua risada era evidente no momento, e desse jeito, sorrindo é que tu me encantas.

Nas lembranças das tardes de domingo.

Que ainda venham muitas memórias, das quais ainda nem chegaram a ser verdade, as quais agora são apenas vontade. Vontade de sentar do teu lado, ver aquele filme, talvez mais um milhão de vezes e comer brigadeiro, quem sabe variar para pipoca de vez em quanto.

Assim, com tua mão bagunçando meu cabelo e eu, sentindo teu cheiro. Cheiro de amor com chuva, numa lembrança qualquer,

Amor de Domingo

Hoje lembrei do meu amor.

Junto a lembrança, me veio o gosto do teu beijo, o toque do teu carinho no meu cabelo bagunçado.

Lembrei do teu amor, do teu carinho pela vida e pelos momentos bons. Do teu desespero em ver-me, da imensa alegria que tinha em olhar-te e ficar do teu lado, mesmo que fosse de bobeira.

Poderiam coisas tão poucas ficarem guardadas de tal forma em nosso coração? É incrível como gosto de lembrar do teu último “amo-te” no domingo passado, hoje já é quinta e necessito de mais um sopro da tua doçura comigo, para quando levantar na manhã seguinte, acorde eu, suspirando pelos teus dizeres amoroso de nosso breve encontro, que assim eu pudesse relembrara teu cheiro um pouco antes da sexta chegar.

Fiquei ontem a imaginar a grandeza da tua pessoa em meu ser, a grandeza das tuas palavras em meu psicológico, a grandeza das tuas simples atitudes  de carinho em minhas miseras lembranças, durante uma semana de saudade.

Hoje, lembrei do nosso amor de domingo.